TODA CRIANÇA GOSTA DE BRINCAR E DE LER.

SEJA BEM-VINDO AO SITE DE LEITURA DA TURMA DO GUARANÁ. AQUI VOCÊ ENCONTRA HISTÓRIAS EM QUADRINHOS, CONTOS, DESENHOS E MUITA DIVERSÃO!

terça-feira, 17 de julho de 2012

GUARANÁ E PIRRIXA em: ATIREI O PAU NO JAMELÃO


Boa tarde!
Hoje trouxe mais uma história com a Turma do Guaraná, as crianças mais divertidas de Lindópolis, que estão aqui no blogger toda semana, pra divertir você!
Vamos à leitura...


ATIREI O PAU NO JAMELÃO

       Guaraná e Pirrixa estavam na pracinha pegando jamelão. Só que os maiores estavam justamente nos galhos mais altos. Então, Pirrixa teve a brilhante idéia de atirar um pau para derrubar as deliciosas frutas.
       Nesse instante passava embaixo do pé de Jamelão um gato. O pau que pirrixa atirou subiu alto, e caiu em cima do rabo do gato. O gato deu um berro, mas não morreu. Com a pancada o rabo do pobrezinho caiu. Então o Guaraná foi em casa, preparou uma cola de papa de arroz para colar o rabo do gato.
       Pirrixa não acreditou quando viu Guaraná chegando com o grude feito de papa de arroz, depois segurou o gato e o rabo, e já ia colar.
       - Aii! Você é burro mesmo! Não vê que não pode colar o rabo do gato com grude de arroz! – gritou Pirrixa.
       - Fique sabendo que eu preparo muitas pipas, e colo tudo com grude de arroz branco! – exclamou o Guaraná.
       - Você pode colar pipas com grude, mas isto aqui é um gato, um bicho. É diferente!
       - Como é que faz então? – perguntou Guaraná.
       - Ora, você pega o rabo, junta com o gato assim... E amarra os dois com este barbante de amarrar pão em padaria! – Pirrixa respondeu.
       - Ah, sim! Por isso que é bom ter um amigo esperto – disse o Guaraná.
       - Agora solto ele... – disse Pirrixa largando o gato com o rabo amarrado.
       O gato andou um pouco e logo em seguida o rabo se soltou de novo.
       - Ha, ha, ha! Que burro! – Guaraná riu da “esperteza” do amigo, e disse então:





       - Tenho uma idéia melhor. Está vendo este alfinete? Pois vou espetá-lo no rabo e depois no gato... E pronto!
     Foi então que apareceu uma moça que morava ali perto, e vendo a situação do pobrezinho do gato, foi até os meninos. Eles a cumprimentaram em coro:
       - Oi, Dona Chica!
       - Olá, crianças – ela respondeu.
     - Atirei o pau nos jamelões e ele caiu em cima do rabo do gato – disse Pirrixa entristecido.
       - Eu vi, filho. Fiquei até admirada com o berro que o gato deu, mas tenho uma solução.  – disse Dona Chica, segurando o bichano sem rabo.
       - Vai usar uma super cola? – perguntou Guaraná.
       - Não. Eu sou veterinária, e vou prender o rabo no gato usando recursos médicos.
       E assim Dona Chica levou o gato para a clínica e cuidou dele.
       Depois de uma semana, o gato com rabo estava caminhando pela praça.
       Pirrixa viu o gato, e perguntou ao Guaraná:
       - Meu canarinho sumiu da gaiola! Será que foi aquele gato quem comeu?
       - Pode ser, pois ele agora tá com o "rabo preso" com alguma coisa... – respondeu Guaraná
       E os meninos riram da brincadeira.

FIM


Esta história é em homenagem à uma velha cantiga de roda
"Atirei o pau no gato".
Não é politicamente correta, porque alguém atirou um pau no gato. Coitado do bichano!
Esta cantiga já fez parte da infância de muitas crianças, que formavam uma roda e cantavam:


Atirei o pau no gato, tô 
mas o gato, tô tô
não morreu, reu, reu 
dona Chica, cá cá
admirou-se, se se
do berrô, do berrô, 

que o gato deu, Miau! 

Gostou?
Muitas são as cantigas de roda, que existem até hoje em várias regiões do Brasil.
Nossa amiga Jacque enviou uma versão politicamente correta:


Não atire o pau no gato-to

Porque isso-so

Nao se faz-faz-faz
O gatinho-nho
É nosso amigo-go
Não devemos maltratar os animais
Miau!

É bom saber um pouco da Cultura do nosso país, não é?
Por hoje é só.
Um forte abraço, e até sexta.

Paulo Alves


Toda terça e sexta tem uma nova aventura com a Turma do Guaraná.
Participe do blog, tornando-se membro e deixando seu comentário.
Envie e-mail para:  turmadoguarana@hotmail.com


12 comentários:

Allynne Alves disse...

Que história linda!! genial a sua idéia de transformar uma cantiga em historia.
acompanho seu trabalho todo dia
Brilhante!!!

Jacque disse...

Tem uma versão politicamente correta dessa cantiga:

Não atire o pau no gato-to
Porque isso-so
Nao se faz-faz-faz
O gatinho-nho
É nosso amigo-go
Não devemos maltratar os animais
Miau!

Paulo Alves disse...

Olá, Allynne Alves!
É sempre bom lembrarmos e divulgarmos as tradições e costumes do nosso povo. Continue acompanhando o blog.
Obrigado.

Paulo Alves

Paulo Alves disse...

Bem lembrado, Jacque.
Essa versão é muito melhor.
Inclusive já completei a postagem com ela.
Obrigado pela dica, e continue acompanhando a Turma do Guaraná.

Beijo

Paulo Alves

Marcelo disse...

Oi Paulo!!

Vim para uma visita. Gostei muito do Blog!

Já estou seguindo! Vou acompanhar as próximas aventuras da "Turma do Guaraná".

Ser adulto e possuir um "olhar de criança" é uma dádiva. Ou melhor... Talvez todos adultos tenham esse "olhar", mas poucos o deixam crescer. Mas uma coisa eu sei... Essa sensibilidade deixa tudo mais vivo e brilhante. Vejo que você é uma dessas pessoas.

Gde. Abc. e Parabéns! Marcelo.

Paulo Alves disse...

Oi, Marcelo.
Seja bem-vindo ao blog.
Precisamos mostrar este nosso coração de criança, pois somente assim poderemos ensinar os pequeninos e os jovens a construir um mundo mais humano e feliz.
Esteja sempre aqui.

Grande abraço.

Paulo Alves

Ana Clara Souza disse...

Coitado do gatinho!!!
Lembrei do meu gatinho que morreu!!!
bjsss

Rafael Fernandes disse...

Ficou muito boa a historia!
E continue transformando cantigas em historias!

Abraços!

Ana Paula disse...

Parabéns pelo Blog!!
Para todas as idades :))

Paulo Alves disse...

Oi, Ana Paula.
A Turma do Guaraná é para todas as idades, tribos, clãs e raças.
Seja bem-vinda e volte sempre.

Beijo e abraço forte

Paulo Alves

Paulo Alves disse...

Tudo bem, Rafael Fernandes?
Gosto das suas visitas e comentários.
Esteja sempre aqui, e deixo meu muito obrigado pela divulgação da Turma do Guaraná em seu blog.
É sempre bom mostrar para as crianças desta nova geração o quanto é rico o folclore e a cultura do nosso país.

Abraço!

Paulo Alves disse...

Oi, Ana Clara.
Sinto muito pelo seu gatinho. Ele estará vivo em seu coração.
Espero que ganhe outro gatinho e que lhe dê muito amor.

Beijo