TODA CRIANÇA GOSTA DE BRINCAR E DE LER.

SEJA BEM-VINDO AO SITE DE LEITURA DA TURMA DO GUARANÁ. AQUI VOCÊ ENCONTRA HISTÓRIAS EM QUADRINHOS, CONTOS, DESENHOS E MUITA DIVERSÃO!

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

A TURMA DO GUARANÁ E O DESAPARECIMENTO DO PRESÉPIO

O MISTÉRIO DO DESAPARECIMENTO DO PRESÉPIO
       Paulinha e Tampinha caminhavam pela praça que ficava em frente de suas casas e observavam as novidades que o período do Natal trouxera. A praça estava enfeitada com lampadinhas reluzentes que se enrolavam nos troncos e galhos das árvores. De noite dava um efeito incrível!
      Uma imensa árvore de Natal fora montada no meio da praça, trazendo alegria aos corações das pessoas que por ali passavam.
       Desta vez, o prefeito de Lindópolis, o Senhor Patonildo, caprichou nas decorações natalinas e encomendou ao escultor Waldemar Tista um lindo presépio todo feito em madeira da melhor qualidade, que foi montado ao lado da árvore de Natal. O presépio representava a cena do nascimento do Menino Jesus. Tem José e Maria, que são seus pais; os três Reis Magos, que de longe vieram somente para conhecer e presentear o recém-nascido, além dos animais que estavam próximos, como ovelhas, cavalos e vacas.
       As meninas e todas as crianças que por ali passavam, olhavam, admiradas, o presépio e ficavam imaginando o quanto feliz fora o momento do nascimento do Menino Jesus.
       Depois de passearem e conhecerem as novidades da praça, elas foram para casa para tomar banho e jantar, pois já era final da tarde, e as crianças precisavam dormir cedo.
       A noite chegou e a praça estava sem ninguém. Somente as corujas, mariposas e vaga-lumes passeavam entre os jardins, e os grilos pulavam nos galhos das árvores.
       A lua iluminava a escuridão daquela noite aparentemente tranquila. Sim, porque entre as sombras da noite, uma figura caminhava desengonçada, e não parecia ninguém conhecido da vizinhança. O vulto era de um homem baixinho e assustador que tinha um longo bigode que reluzia feito ouro no meio da penumbra – que medo! E aproximou-se do presépio...
       O homem, diante do presépio, pegou todas as esculturas de madeira, enfiou num saco maior do que ele, e saiu correndo pela praça no meio da neblina naquela madrugada fria.
       Pela manhã, logo a população percebeu a falta das imagens do presépio e chamaram o prefeito da cidade para resolver o caso.



       As crianças da Turma do Guaraná foram ver o que tinha acontecido e quase não acreditaram quando viram o presépio vazio. Tampinha e Paulinha chegaram a fazer biquinho de choro. Pobrezinhas!
       Todos olhavam perplexos querendo entender o que tinha acontecido.
       – Roubaram o presépio, foi isso que aconteceu! – exclamou o Guaraná.
       – Bela conclusão, amigo – disse o Pirrixa.
       – Vejam o que eu trouxe. Uma lupa! – disse a Tampinha, que adorava desvendar mistérios, mostrando uma lupa.
       – Que legal! Com esta lente de aumento poderemos investigar e encontrar alguma pista para desvendar este mistério – disse a Bolacha, a menina cientista.
        E as crianças saíram pela praça olhando através da lupa, na tentativa de encontrar alguma pista.
       – Vejam o que encontrei! – exclamou a Tampinha.
       – O que foi? – perguntou a Paulinha.
       – Encontrei um pelo comprido e dourado! – respondeu.
       – Oh, não! - gritaram as crianças em coro – É do pirata Bigodinho de Ouro!
       Já tendo um suspeito do furto do presépio, as crianças correram até o rio que cortava a cidade, que levava ao mar de Lindópolis.
       Pirrixa e Guaraná tinham um bote que usavam para pescar parado às margens do rio. As crianças entraram no bote e a correnteza os levou até desembocarem no mar. Chegando lá, avistaram um navio negro que tinha no alto do mastro uma bandeira com uma caveira pintada. Só poderia ser o navio do velho e assustador pirata Bigodinho de Ouro.
       – Vamos lá, pessoal, pegar as esculturas do presépio e levá-las de volta à praça – gritou o Pirrixa.
       E os meninos, corajosamente remaram em direção ao navio negro.
       Ao ver aquelas crianças se aproximando o pirata disse:
       – Que crianças mais intrometidas! Como ousam se aproximar do meu navio. Vou mandar-lhes um aviso e voltarão para a praia, já já.
       Foi assim, que o velho pirata Bigodinho de Ouro, preparou o canhão e lançou em direção ao bote das crianças uma bola de ferro grande e pesada. A intenção do velho pirata era lançar a bola perto do bote e assustar os meninos para que voltassem para a praia. Porém, aconteceu que a bola pesada foi mais longe, acertou um coqueiro na praia que envergou e arremessou-a de volta ao navio do velho pirata. Ao atingir o navio, a bola de ferro causou um tremendo rombo no casco, que começou a se encher de água, afundando em seguida.
       – Bem feito! – disse o Guaraná.
       – Vejam! Ele está se afogando! Vamos salvá-lo! – Gritou a Bolacha.
       Imediatamente, as crianças remaram até chegar próximo aos destroços do navio, tiraram o velho pirata da água, e como eram de madeira, as esculturas das imagens do presépio vieram à tona. Então, os meninos pularam na água e recolheram-nas.
       Já dentro do bote, o velho pirata estava abatido e cansado, pois se debatera muito e engolira água, quase se afogando. As crianças perguntaram por que ele furtara as estátuas do presépio e ele, arrependido, contou a sua história.
       – Aquele navio, onde eu vivia, era muito feliz. Morava eu e meu pai. Era numa noite de Natal e estávamos terminando de montar o nosso presépio, com todas as imagens. Meu pai adorava o presépio e todos os anos, ceiávamos em sua volta. Mas naquela noite foi diferente. Uma grande tempestade aproximou-se e quando dormíamos uma onda gigante chocou-se contra o navio, carregando tudo o que havia dentro. Meu pai e o lindo presépio foram embora com as águas. Quase o navio afundou e apenas eu me salvei. Desde então, vinha pegando os presépios que encontrava e os levava para o navio.
       – Pobre alma, ficou traumatizado – disse o Guaraná.
       As meninas Paulinha e Tampinha não conteram as lágrimas quando ouviram a história do velho pirata Bigodinho de Ouro.
       Quando chegaram à praia, a polícia já estava esperando o pirata. Ele estava triste, mas quando soube que ia montar um presépio na cadeia, ficou muito feliz.
       As esculturas das imagens da cena do nascimento de Jesus foram devolvidas, e a população, mais uma vez, pode deslumbrar a beleza do presépio.
       Já era de tardinha, quando todas as lâmpadas da praça foram acesas e as crianças apreciaram as luzes do Natal.

       Feliz Natal pra todos!
FIM

Gostaram do conto de Natal?
Escrevi e desenhei com muito carinho pra vocês.
Desejo que o espírito do Natal preencha todos os coração
e que tenham uma noite de muita paz e amor.

Abraços!

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

QUER GANHAR UMA BOLACHA?

Olá, amiguinhos!

Finalmente terminei mais uma HQ com estes personagens tão queridos e engraçados.

Desta vez, desenhei uma HQ de uma página onde Guaraná e Pirrixa entram numa grande confusão.



Estamos no final do ano, e já estou escrevendo o conto de Natal para  apresentar aqui, em breve.

Não deixe de participar da promoção para ganhar uma camisa com linda 
estampa da Turma do Guaraná. É muito fácil!

Para participar, mande a mensagem:
"EU QUERO GANHAR A CAMISA DA TURMA DO GUARANÁ!" 
para o email  turmadoguarana@hotmail.com

Para saber mais detalhes, clique aqui.

Tenha uma boa semana!


terça-feira, 26 de novembro de 2013

TURMA DO GUARANÁ E PAULO GIBI, AMIGOS PARA SEMPRE!

Seja bem-vindo, querido leitor. 

Já está à venda no site da Associação dos Quadrinhistas e Caricaturistas 
de São Paulo (AQC-SP) o livro "AQC 100 vezes", que reúne HQs 
de vários artistas, incluindo uma com a Turma do Guaraná.


Tenho um amigo especial que é o Paulo Gibi, 
grande colecionador de gibis e figurinhas, que adora o universo dos quadrinhos e
ama os personagens da Turma do Guaraná.





Minha participação no livro foi com esta HQ divertida onde Guaraná se atrapalha 
muito para preparar seu almoço delicioso.




Este livro da AQC reúne desenhos de vários artistas, alguns já conhecidos e outros
 se lançando neste mundo divertido dos quadrinhos.






O livro traz também um pouco da biografia de cada artista que participou.



Nosso grande amigo, e leitor assíduo do blog, o Paulo Gibi, adquiriu nestes 
dias seu exemplar, a quem eu dediquei uma ilustração especial onde ele abraça as
as crianças da turma.





Conheça o site do Paulo Gibi e saiba todas as novidades do mundo dos quadrinhos. 

Agradecimentos ao amigo, que tanto incentiva este projeto de leitura e cedeu 
gentilmente as imagens desta postagem.

. . . O . . .

Amiguinhos, deixo um forte abraço e 
aviso que já estou desenhando mais uma HQ
com a Turma do Guaraná


sexta-feira, 8 de novembro de 2013

GUARANÁ É UM ESTOURO!

Seja bem-vindo!

Mais uma vez a Turma do Guaraná volta com uma nova HQ.
Desta vez, com o Guaraná, um indiozinho do barulho!


Amiguinho, tenha um bom final de semana.
Abraços.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

A TURMA DO GUARANÁ E VOCÊ, AMIGOS PARA SEMPRE!

Olá, amiguinho e amiguinha!
Sejam bem-vindos ao blog da Turma do Guaraná.
Há mais de dois anos escrevo e desenho  para vocês, sempre com muito carinho e dedicação. 
O blog está passando por uma nova fase, quando, com menos tempo, me esforço para continuar desenhando a Turma do Guaraná e seus amigos (os personagens bichos: Randrik e Nininho, Claragema, Pulguinha, Estrelinha, o jabuti, além do Doutor Morte com suas trapalhadas).



Já estamos no terceiro ano, quando apresentarei novas histórias e HQs.
Já estou preparando uma nova HQ, que neste fim de semana será apresentada aqui.
Para você, que ama estes personagens e tem a esperança de um dia ver a revista da TG em todas as bancas do Brasil, não desanime. 
Colabore com este projeto, divulgando, compartilhando nas redes sociais, tornando-se membro e deixando seu comentário aqui, nas postagens.





A Turma do Guaraná e você, amigos para sempre!

Enquanto isso, te convido a navegar pelo blog, que está lotado de histórias por todo canto da tela. Clique nas imagens e elas te levarão às mais divertidas aventuras!






Gosto muito de Randrik e Nininho e, em breve, novas historinhas com eles serão apresentadas.



Grande abraço, do amigo



terça-feira, 22 de outubro de 2013

As meninas e o perfume

Olá, amiguinhos!
É com muito orgulho que apresento mais uma HQ com a Turma do Guaraná, desta vez,
uma brincadeira de criança, daquelas, que elas aprendem no colégio.



Bem engraçada...
Num destes dias, um menino de seis anos me pegou com esta brincadeira.
Porém, crianças, não podem exagerar, senão, machuca o coleguinha.

Tenham todos uma ótima semana.
Até a próxima historinha com a Turma do Guaraná.
Abraços!





sábado, 5 de outubro de 2013

TURMA DO GUARANÁ E OS COMILÕES DO JARDIM

Olá, amiguinhos!
Estou de volta com a Turma do Guaraná em mais uma aventura divertida.
Desta vez, uma historinha para celebrar a primavera, a estação das flores.


Os comilões do jardim

       Chegou a primavera, a estação das flores e, em Lindópolis, é costume as pessoas enfeitarem a frente de suas casas com todos os tipos de flores colhidas nos jardins e campos da região.
       Logo pela manhã, as meninas saíram pelos jardins de suas casas e coletaram todas as flores que puderam para compor ramalhetes e guirlandas para enfeitarem suas casas. Eram todos os tipos de flores: petúnias, margaridas, rosas, jasmins, lírios e muitas outras.
       A delicada Paulinha, ao colher as margaridas amarelas, prestava atenção para não se deparar com uma lagarta ou louva-a-deus, pois tinha muito medo destes bichos.
       A Tampinha foi até o jardim e pegou as mais lindas rosas, vermelhas, amarelas e brancas, sempre com cuidado que era para não espetar os dedos nos espinhos dos galhos das roseiras.
       A Bolacha, estudiosa da natureza, separou várias espécies de flores, montando guirlandas de dálias púrpuras e de hibiscus laranjas. Bolacha encontrou junto com as flores alguns bichinhos muito interessantes e coloridos, as joaninhas que são pequeninas e possuem uma carapaça vermelha com bolinhas pretas. Bolacha encontrou uma família inteira de joaninhas: tinha os avós, os pais e uma dúzia de joaninhas crianças, que brincavam alegremente de pique-esconde entre as pétalas das rosas.
       Então, as meninas arrumaram todos aqueles ramalhetes e guirlandas de flores em volta das portas e janelas das casas. Também enfeitaram com cordões de flores que desenhavam os contornos das varandas e, do alto dos telhados, desciam ramos floridos de bougainvilles.
       Os meninos também colheram flores, formaram guirlandas e colocaram nas portas de casa para enfeitar. E, uma grande surpresa tiveram quando encontraram no meio dos galhos floridos um bichinho muito interessante, um camaleão.
       O camaleão é um lagarto grande e esperto que vive nos galhos das árvores se alimentando de insetos. Ele também tem a capacidade de mudar a cor de sua pele, tornando-a da cor da folhagem onde está. Dessa forma, o camaleão fica camuflado e os insetos se aproximam dele sem perceber. Então, o camaleão dá o bote com sua língua pegajosa, prende o inseto, engolindo-o em seguida. Cruzes!
        Os meninos pegaram o camaleão e levaram para as meninas verem. Guaraná vinha com ele no ombro, mas Pirrixa tirava-o de lá e o segurava no colo. E assim se aproximaram das meninas que, quando viram o bicho, levaram um baita susto. Foi uma gritaria só. As meninas os mandaram embora, com o camaleão e tudo. Que pena! Os meninos pensaram que iriam agradar, mas foram expulsos do jardim. Guaraná já tinha, inclusive, dado um nome ao bicho, chamando-o de “Janjão”, o camaleão.
       Mais tarde, as meninas brincavam com as flores, dando os últimos retoques na arrumação dos enfeites quando ouviram um zumbido que ecoava por toda parte. O que poderia ser aquilo? As meninas levaram um grande susto quando viram uma grande variedade de insetos se aproximando de seus enfeites floridos. Eram gafanhotos, louva-a-deus, bichos-paus, abelhas e borboletas. Todos vieram se banquetear nos enfeites floridos. Os gafanhotos eram os mais vorazes, pois, diferentes das abelhas e borboletas, não se conformavam em sugar o néctar, mas devoravam por inteiro as flores e folhas dos ramos e guirlandas.
       “Socorro!” – gritaram as meninas. Guaraná e Pirrixa ouviram seus gritos e correram para ver o que tinha acontecido e, claro, traziam consigo o grande amigo camaleão.


       Quando os meninos chegaram, o camaleão pulou do ombro de Guaraná, indo parar no ramo de margaridas que enfeitava a varanda da casa de Paulinha. Lá estava cheio de vorazes louva-a-deus e o camaleão foi comendo um a um. Lançava a sua língua pegajosa e capturava os bichinhos comilões de flores. Depois, o camaleão passou para a guirlanda de rosas amarelas feita por Tampinha e comeu as muitas lagartas que por ali se deliciavam, comendo as pétalas das lindas rosas juvenis. Ainda faminto, o camaleão pulou para a varanda da casa da Bolacha e comeu muitos gafanhotos que devoravam as guirlandas de dálias púrpuras que enfeitavam a porta da casa.
       As meninas ficaram muito satisfeitas com o que o camaleão fizera e agradeceram aos meninos por terem o trazido até ali. Inclusive fizeram amizade com o camaleão, dizendo que era um bichinho muito valente, e disseram até que ele era “lindo”.
       Paulinha e Tampinha brincavam com o camaleão fazendo carinho quando, de repente, ele pulou para o jardim das roseiras, onde estava infestado de joaninhas.
        – Não! – gritou a Bolacha, correndo para socorrer suas amigas joaninhas – Não pode comer as joaninhas. Elas são inocentes! Estão apenas brincando na roseira! Vá comer os gafanhotos.
       O camaleão ficou desapontado, olhou para a Bolacha e deu a língua para ela, em sinal de protesto.
       – Faz mal não, Janjão. Vá comer aquelas lagartas ali, ó! Elas estão acabando com as petúnias – disse Pirrixa para consolar o bichinho faminto.
       – Ei! Isso tudo me deu uma fome! Que tal irmos lanchar, pessoal – disse o Guaraná passando a mão na barriga.
       Então, as mães das crianças preparam um lanche delicioso e elas sentaram-se para comer.
      Assim, passou mais uma tarde linda, em meio às flores coloridas e perfumadas que enfeitavam os jardins e as casas de Lindópolis.
FIM
       
      
     Tenham todos um lindo final de semana.
Até a próxima postagem.

TURMA DO GUARANÁ 2013 é Marca Registrada. Todos os direitos reservados.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

TURMA DO GUARANÁ - ANO III

Olá, amiguinhos!

Hoje é um dia muito especial, porque o blog da Turma do Guaraná, um projeto de leitura com personagens genuinamente nacionais, está completando dois anos.




Foram dois anos muito criativos, com histórias divertidas e desenhos bonitos.




Vamos iniciar o terceiro ano com muita energia positiva e empenho para que a 
Turma do Guaraná continue cativando, cada vez mais, leitores apaixonados
por contos infantis e histórias em quadrinhos.




O projeto passou por algumas dificuldades, mas, tudo tem sido superado, de modo a não
atrapalhar o funcionamento do site, nem, tão pouco, interromper as postagens, afinal a Turma do Guaraná não pode parar, pois são amigos para sempre!




Enquanto uma editora não se apaixona pela Turma do Guaraná e se interessa em publicar suas histórias, continuarei apresentando, toda semana, novas aventuras desta turma, que está conquistando o Brasil.



Este site é livre, e todo o seu conteúdo de histórias, HQs e imagens pode ser usado em sala de aula.
Vale a você, que é amigo da Turma do Guaraná, divulgar em seus sites e redes sociais esta postagem!
Muito obrigado a todos os leitores e blogueiros amigos!!!
Participe do site, tornando-se membro e deixando seu comentário.


Parabéns ao blog da Turma do Guaraná!

Abraços!


TURMA DO GUARANÁ 2013 é Marca Registrada. Todos os direitos reservados.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

GUARANÁ E PIRRIXA EM: OS ENGENHEIROS DA PRAÇA

Olá, amiguinhos!
A Turma do Guaraná está de volta em mais uma divertida história!
Desta vez, Guaraná e Pirrixa dão uma de construtores e realizam um grande projeto.

OS ENGENHEIROS DA PRAÇA

          Era mais um linda manhã de inverno em Lindópolis, quando Guaraná e Pirrixa caminhavam na praça que ficava em frente de casa em busca de alguma brincadeira. Sentaram nas pedras que cercavam os jardins para pensar no que poderiam brincar.
         Guaraná, olhando os carros que passavam na rua, teve uma idéia brilhante. Decidiu construir pontes com tábuas, por onde ele e Pirrixa andariam com suas bicicletas. Então, juntou-se com Pirrixa e cataram, no quintal, todas as tábuas que puderam. Também arrumaram algumas latas, daquelas de leite em pó, que serviriam de sustentação para as pontes, que tinham em mente, construir.
        Assim, os nossos amigos engenheiros começaram a empilhar as latas de modo a compor as colunas das pontes, e sobre elas, arrumaram as tábuas. Após terem montado vários metros de tábuas sobre latas, os meninos tiveram a impressão de terem construído muitos quilômetros de estradas e viadutos. Depois, pegaram suas bicicletas e pedalaram sobre as tábuas. Corriam de lá pra cá, passavam por baixo, por cima, inclusive haviam construído uma ponte que ficava muito alta.


        Passava por ali o Senhor Patonildo, o prefeito de Lindópolis, que ao ver a construção dos meninos, aproximou-se para observá-los andando com suas bicicletas sobre aquele emaranhado de pontes. O prefeito coçou a cabeça, e perguntou:
       – Meninos, por um acaso já não os conheço?
       – Claro, que não! – responderam as crianças, imediatamente.
      – Engraçado, tive a impressão de já ter visto vocês, em algum lugar... Mas, gostei muito dos viadutos que construíram, e peço permissão para usá-los para a passagem dos nossos muitos carros e ônibus que congestionam as principais vias da cidade. Os meninos, prontamente, aceitaram, e logo vários veículos, carros, motos, ônibus e caminhões foram surgindo de toda parte e passaram a circular sobre o emaranhado de viadutos que eles construíram. O prefeito disse aos meninos, então:
       – Estão vendo? Todos estes veículos estão circulando sobre as vias que vocês construíram. Agora, podem ficar muito ricos.
       – Como, Senhor Prefeito? – perguntaram as crianças, espantadas com tal possibilidade.
 – Ora, explorando a circulação dos veículos nas vias que construíram, cobrando pedágio.
       – Mas, Senhor Patonildo, não é correto cobrar pedágio.
       – Pois bem, se não querem ficar ricos, eu quero. Vou cobrar o pedágio de todos os veículos que por aqui passarem, e ficarei com todo o dinheiro para mim.
       Guaraná e Pirrixa se olharam assustados, e decidiram que iriam destruir tudo o que haviam construído. Então, os meninos subiram em tratores de todos os tamanhos e foram derrubando cada coluna que sustentava os viadutos. Tudo caía no chão, impossibilitando os veículos de continuarem circulando. Logo, todo o emaranhado de pontes ficou no chão, e os carros, ônibus e caminhões voltaram para as ruas de onde vieram, onde não havia pedágios.
       Então, o prefeito Patonildo perguntou:
       – Meninos, como podem ter construído todas estas pontes no meio da praça pública? Não viram que impediam a passagem das pessoas?
        Foi então, que Guaraná e Pirrixa despertaram da fantasia e perceberam que a praça estava tomada por operários e tratores que derrubaram tudo o que eles haviam construído.
 – Desculpe-nos, Senhor Patonildo. Estávamos apenas brincando de andar sobre aquelas pontes, e não percebemos como ficaram grandes e que atrapalhavam – disse o Guaraná, desconfiado.
         Então, os meninos recolheram algumas tábuas que levariam para suas casas, e Guaraná disse ao amigo Pirrixa, bem alto, que era para o prefeito ouvir:
– Vamos embora daqui. Só construiremos pontes no nosso quintal, porque só assim o Senhor Patonildo não vai querer cobrar pedágio!
        O prefeito e os operários que tiravam as tábuas e latas do meio da praça se entreolharam, sem entender nada...


FIM

Gostaram da história?
Todos os veículos circulando sobre o emaranhado de pontes 
foi pura imaginação das crianças.

Tenha um bom fim de semana, e até a próxima história.

Abraços.

TURMA DO GUARANÁ 2013 é Marca Registrada. Todos os direitos reservados.

domingo, 18 de agosto de 2013

TURMA DO GUARANÁ E O MISTÉRIO DAS ÁGUAS

Olá, amiguinho!
Seja bem-vindo.
Hoje apresento mais uma divertida e emocionante aventura
com a Turma do Guaraná. 

O MISTÉRIO DAS ÁGUAS
Parte I

       O sol ainda estava baixo, e Lindópolis se encontrava encoberta por uma tênue névoa. Apesar de ser inverno, o dia prometia ser lindo, com um sol de dar inveja a qualquer verão.
       Naquela manhã, as crianças foram à Praia do Silêncio, um recanto com águas tranquilas e límpidas na orla do mar, para mais um dia de aventuras e brincadeiras.
       As crianças estavam animadas, como sempre, e se divertiam mergulhando e pegando peixes com a mão. Mas era um tipo de peixe muito escorregadio, que escapava com facilidade, por isso era conhecido como o peixe sabonete. Mas, muita atenção, para não ir em direção às pedras, porque lá se escondiam muitos ouriços-do-mar e se pisar neles, a dor é forte.
       Pirrixa deu um mergulho, e observou que no fundo do mar havia uma coisa estranha. Era de forma redonda e estava encravada no fundo da areia. Chamou o amigo Guaraná para ver também. Então os meninos concluíram que se tratava de um tampão, com um daqueles que tampam o fundo do tanque de lavar roupas. Os meninos traquinas seguraram firme no tampão e puxaram, só de curiosidade, para ver o que iria acontecer. Então, quando o tampão foi arrancado, aconteceu que toda a água do mar começou a descer pelo buraco. Os meninos, assustados, nadaram para não serem tragados pela força da água que descia terra abaixo, mas de nada adiantou.



       Na praia, as meninas viram quando Guaraná e Pirrixa nadaram contra a força da água que os arrastou para as profundezas da Terra. Bolacha decidiu ver de perto o buraco no fundo do mar, e como a água estava rasa, foi andando com as amigas. Agora, diante desta situação, nada mais poderiam fazer, senão entrar no buraco e seguir pela passagem que as levariam a desvendar o mistério das águas.
       Seguindo pelo longo túnel, as meninas foram parar numa imensa abertura debaixo da terra. Um espaço gigantesco, como se fosse um mundo novo. Lá longe, elas avistaram Guaraná e Pirrixa. Eles pareciam bem. Estavam perdidos e surpresos com aquela imensidão debaixo da terra.
       As meninas os chamaram, e logo que ouviram, correram para se encontrarem com elas. Agora, as crianças teriam que andar por ali e tentar entender tudo o que acontecera. Saber o porquê daquele túnel por onde toda a água do mar escorrera. As praias de Lindópolis estavam secas, e também as lagoas e rios. Quem seria o responsável pela criação daquele túnel?
       O prefeito e todos os cientistas de Lindópolis percorreram os locais onde havia água, em busca da solução para o mistério. Mas os nossos amiguinhos já estavam no lugar certo.
       No mundo novo embaixo da terra, a Turma do Guaraná andava bisbilhotando cada canto. Andaram e andaram até avistarem, muito longe, grandes construções. Parecia também haver espaçonaves gigantescas, tão grandes como muitos Maracanãs juntos.
       Quem poderia estar por trás de tanta tecnologia?

O MISTÉRIO DAS ÁGUAS
parte II

       Quem poderia estar por trás de tanta tecnologia?
     A resposta viria logo, quando as crianças foram abordadas por criaturas pequeninas como bebês. Suas formas eram como a nossa, com cabeça, braços e pernas, porém suas peles eram de cor cinza-clara. Os alienígenas as levaram até a cidade. Tudo era muito bonito e gigantesco. Era uma nova civilização embaixo da terra.
       As crianças andaram pela cidade e podiam ver todos os detalhes. Viram enormes quantidades de água sendo congeladas e compactadas em forma de pequenos cubos. Viram também, muitos animais marinhos dentro dos tanques, que também seriam congelados e compactados para viajarem pelo espaço até o Planeta Verde, localizado na Galáxia de Andrômeda, há 500 milhões de anos-luz da Terra, conforme explicação do “verduniano”, que conversava com as crianças, que entendiam tudo o que lhes era dito, graças ao maravilhoso invento de Bolacha: o Inter Tradutor Esquisitus, o mesmo aparelho usado para conversar com o Povo das Nuvens.
       Os verdunianos explicaram que seu planeta era o mais lindo da galáxia, com muitas plantas e animais, porém com o progresso, foram criadas muitas indústrias que poluíram os mares e o ar. Muitas florestas foram queimadas para a produção de carvão para abastecer as indústrias e os reatores, que derretiam o gelo do subsolo do planeta para produzir água líquida. Assim, a cada ano que passava, as florestas foram se acabando, o planeta foi se degradando e a água se esgotando, criando uma grande seca e provocando a morte de muitos animais e plantas, até ficar inabitável. Os seres inteligentes, que antes da grande seca eram verdes, se tornaram de cor cinza por causa da poluição. Eles viajaram pelo espaço em busca de água para abastecer seu planeta, e vieram parar aqui.
       Mas, eles não poderiam levar a nossa água, senão o planeta Terra teria o mesmo fim do planeta Verde.
       Foi então, que Bolacha, a menina cientista, teve a brilhante idéia e convidou seus amigos para ajudar a fazer a Máquina Clonadora Molecular. Os alienígenas gostaram da idéia e os levaram até o laboratório, onde a menina cientista pode montar a fabulosa máquina. Com apenas um cubo de gelo que era colocado no interior da máquina, era feita uma leitura molecular, e milhões de moléculas de água eram formadas a cada segundo, e enchia os reservatórios.
       O povo verduniano ficou muito feliz, tanto que devolveram toda a água que pretendiam levar, e também libertaram os animais marinhos, pois, certamente, com a volta da água em seu planeta, conseguiriam salvar muitas espécies. Mas antes, tamparam todos os buracos feitos no fundo dos lagos e mares, e usando de seus reatores de super aquecimento, derreteram toda a água congelada, que formaram vapores que subiam, viraravam nuvens e do alto se precipitavam  em forma de chuvas torrenciais. Logo, todos os lagos e mares se encheram de água, novamente. A grande seca que começara na Terra foi interrompida, e as plantas tornaram-se fortes novamente, e os animais puderam beber água, e todos os seres vivos do planeta foram salvos.



     O povo verduniano conversou com as crianças e pediram-lhes que não desmatassem as florestas, que não poluíssem os mares e o ar, nem jogassem lixo nas praias. Somente assim, o planeta Terra estaria salvo, e todas as formas de vida, inclusive os seres humanos, estariam livres da extinção. Pediram às crianças que saíssem pelo mundo e espalhassem esta notícia às autoridades e a todas as pessoas, para que soubessem da necessidade de protegerem o planeta Terra da destruição.
       Para saírem das profundezas da Terra, as crianças embarcaram em uma das espaçonaves, que atravessou um longo túnel, e depois rasgou o céu de Lindópolis. Logo, vindo na direção da Praia do Silêncio, pousou suavemente e seus ilustres passageiros desceram na praia, se despedindo dos amigos alienígenas. Em seguida, a nave subiu alto, e num piscar de olhos, partiu velozmente em direção ao alto-mar. De lá, subiu numa trajetória reta em direção ao espaço, numa velocidade impressionante. O som dos reatores nucleares, mesmo de longe, ecoaram por todo o planeta até desaparecerem todas as naves, nos confins do universo.
FIM

Esta história conta sobre a necessidade de cuidarmos do nosso
planeta, por isso, amiguinho, esteja atento e faça a sua parte.
Não jogue lixo nas ruas, nem nas praias,
proteja os animais e plante muitas árvores.

Um grande abraço.

Para conhecer o povo das nuvens, clique aqui.

TURMA DO GUARANÁ 2013 é Marca Registrada. Todos os direitos reservados.

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Guaraná, o chato

Boa tarde!
Apresento a última tira da série, com o índio Guaraná e a delicada Paulinha.



Até a próxima postagem
Abraços.



segunda-feira, 5 de agosto de 2013

GUARANÁ, O INDEPENDENTE

Olá!
Seja bem-vindo à TURMA DO GUARANÁ,
um projeto de leitura, totalmente independente, sem fim lucrativo e com acesso inteiramente grátis, onde você pode apreciar histórias em quadrinhos e contos ilustrados com personagens genuinamente brasileiros.
Clicando nas imagens que estão por todo o site, você acessa os mais divertidos contos e HQs, e pode ficar por horas lendo e sorrindo com as aventuras desta Turma que não pára de brincar.



Até a próxima postagem, quando apresentarei a última tira da série das 10 mais antigas.

Você, querido leitor, que gosta dos contos e HQs aqui apresentadas,
torne-se membro do blog, visite-nos diariamente, compartilhe.

A camisa da turma da Turma do Guaraná já está à venda.
Para comprar a sua clique aqui, e contribua com o projeto de leitura
 Seja amigo da Turma do Guaraná, para sempre!

Obrigado pela sua visita.



sábado, 3 de agosto de 2013

GUARANÁ E PIRRIXA, OS PORCALHÕES

Olá!
Seja bem-vindo.
A Turma do Guaraná volta com mais uma tira da série.



Semana que vem, 
tem uma história inédita com a Turma do Guaraná,
quando eles terão que desvendar um grande mistério 
para salvar o planeta da extinção.

Tenha um bom fim de semana, e até a próxima.
Abraço, do amigo

TURMA DO GUARANÁ 2013 é Marca Registrada. Todos os direitos reservados.

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

segunda-feira, 29 de julho de 2013

GUARANÁ, O GRANDE PESCADOR

Seja bem-vindo!
Hoje, apresento mais uma tira da série.
Desta vez,  com o indiozinho Guaraná, o grande pescador.


O site da Turma do Guaraná já existe há quase dois anos, apresentando muitas histórias em quadrinhos, contos e ilustrações.
Prestigie o quadrinho nacional, tornando-se membro, deixando seu comentário e compartilhando a turma nas redes sociais.
Obrigado.


Até a próxima postagem.
Abraços do amigo.

sábado, 27 de julho de 2013

TURMA DO GUARANÁ E CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA

Olá, amiguinhos!
Sejam bem-vindos ao site da Turma do Guaraná. 
Um espaço dedicado às crianças e a todos os que gostam de histórias em quadrinhos e contos infantis.
Hoje, volto com mais uma tira da série das mais antigas com a turma. 

ALGUMAS DICAS DE COMO CRIAR CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA

1

Quando for ao supermercado, leve as suas próprias sacolas, seja de plástico ou de tecido. Assim você evitará que mais sacos plásticos entrem em circulação e acabem no lixo.

2

Não jogue no lixo os papéis que embrulham os presente que ganhar. Guarde-os. Eles podem servir para embrulhar outras coisas, forrar livros, cadernos, etc.

3

Utilize produtos de limpeza biodegradáveis. Confirme essa característica nos rótulos e embalagens.

4

Se morar em uma casa, tenha a sua própria horta. Assim você economizará dinheiro e ajudará o planeta.

5

Faça as suas compras onde você mora. Assim você gasta menos combustível e ajuda a gerar emprego para a população local.

6

Limpe os artigos de cozinha de maneira racional. Encha a pia com água e feche a torneira. Coloque os pratos e comece a lavá-los com detergente, limpando primeiro os que têm menos gordura. Depois de ensaboar tudo, deixe a água suja ir embora e encha a pia de novo com água limpa. Enxágüe os pratos e deixe-os escorrendo.

7

Desative a função de água quente das máquinas de lavar roupa e louça. Isso representará uma economia considerável de energia.

8

Se você quer manter a sua casa aquecida no inverno, deixa-a ventilar apenas meia hora por dia. Esse tempo será suficiente para renovar o ar sem perder o calor obtido pela luz do sol.

9

Apague as luzes dos ambientes onde não há ninguém. Aproveite a luz solar para iluminar a casa e aquecê-la.

10

Estude a possibilidade de usar painéis solares como fonte de energia em casa. Há várias empresas que oferecem esse recurso.

Importante

  • Todas estas mudanças serão um exemplo para os integrantes da sua família. A melhor maneira de cuidar do meio ambiente é fazendo, não falando. Os outros tendem a copiar o seu exemplo se virem que funciona. 


    Fonte: publicada pela equipe do "Bem Simples".

Até a próxima historinha.
Espero por vocês.


TURMA DO GUARANÁ 2013 é Marca Registrada. Todos os direitos reservados.