TODA CRIANÇA GOSTA DE BRINCAR E DE LER.

SEJA BEM-VINDO AO SITE DE LEITURA DA TURMA DO GUARANÁ. AQUI VOCÊ ENCONTRA HISTÓRIAS EM QUADRINHOS, CONTOS, DESENHOS E MUITA DIVERSÃO!

sábado, 22 de julho de 2017

Turma do Guaraná, 19 anos de Aventura


Olá pessoal! 
Estou de volta com a Turma do Guaraná criada em 1998, mas tudo começou mesmo com a criação do indiozinho Guaraná, em julho de 1987. Desde então, muita coisa aconteceu, muitas histórias, muitas aventuras com Guaraná e seus amigos.


A Turma do Guaraná é um site de leitura livre. Não precisa se cadastrar nem instalar nada em seu computador. Basta digitar no Google: "TURMA DO GUARANÁ" e vocês terão acesso a todo o conteúdo, com mais de duzentas histórias, de graça, para ler e se divertir. 

O personagens da Turma do Guaraná são, por ordem de criação: Guaraná (1987), Pirrixa (1998), Paulinha (1998), Bolacha (1999) e Tampinha (2011).


Há ainda outros personagens, só que malvados: Doutor Morte, o cientista maluco (2012), com seu assistente puxa-saco Valter Ror (2012) e os irmãos Dalvo e Valdo (1982), dois ladrões e trambiqueiros.


Também há os personagens bichos: Claragema (1987), a galinha sabida; Pulguinha (1998), a cachorrinha de Paulinha e Pirrixa. Também tem o jabuti Estrelinha (2013), bicho de estimação de Tampinha, que ela pôs este nome pensando que era um jabuti menina, mas depois descobriu que era um jabuti menino. E agora como vai mudar de nome, já que todos já se acostumaram?...
Poderia mudar para Estrelinho, ou quem sabe, Astrinho? Não sei...
Paulinha tem uma boneca chamada Ritinha (1998), para quem ela faz roupas. Foi aí que ela tomou gosto pra ser estilista de verdade.

Boneca Ritinha



Há outros personagens bichos como o Urso Azul (2007), o guardião do Floresta Secreta; 
um personagem cachorro que é o Randrik (2012), o cão esperto, que nas aventuras é parceiro de Nininho (2012), o coelho mágico. São dois trapalhões, onde Randrik é o dono do Grande Circo de Lindópolis e Nininho é seu contratado como o Grande Mágico.


A Turma do Guaraná e os bichos falantes são personagens infantis e todos moram em Lindópolis, uma cidade cheia de mistérios, banhada pelo mar a Leste e com a Floresta Secreta a Oeste.

A Floresta Secreta, onde moram animais que falam e interagem com as crianças, também é o lar de Dona Goya (2012), uma bruxa boazinha, que ajuda as crianças quando se metem em confusão. 


No interior da floresta tem um lago doce, todo formado com suco de mexerica, que escorre de cima de uma pedra muito alta, a Pedra da Mexerica. Lá em cima tem um pé de mexerica mágico que produz, há muitos milênios, o suco que escorre e se acumula no Lago Doce. Os animais adoram e vêm se deliciar com o suco doce e gelado. As crianças também vão lá apreciar o suco, mas morrem de medo das abelhas, que estão por lá a todo instante. 


Mais ao Sul de Lindópolis há a Pedra do Mamute, que faz parte de uma imensa cadeia de montanhas. Toda a população da cidade pensa que é uma pedra gigante que lembra a forma de um mamute, mas na verdade trata-se de um mamute gigantesco, que está lá hibernando há quinhentos anos. Espero que não façam muito barulho por perto, pois ele pode acordar a qualquer instante e provocar grande confusão na cidade. Já imaginaram?


Este é um resumo do Universo da Turma do Guaraná, que tem nomes e endereço, as criaturinhas falantes, as crianças e a cidade de Lindópolis. 

Vista aérea da Cidade de Lindópolis com a Pedra do Mamute ao fundo.

Convide seus amigos e venha conhecer o Universo da Turma do Guaraná, lugar de leitura, educação, aventura e diversão.

Estamos no sexto ano deste blog, e espero que eu tenha sempre imaginação, saúde e disposição para continuar a fazê-lo por mais muitos anos. 

Assim, continuarei  contribuindo para o crescimento cultural e intelectual das crianças e jovens do Brasil e do mundo. 


Um abraço a todos!

cartunista

amigos para sempre!



Cartas para turmadoguarana@hotmail.com

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Nininho o coelho fominha!

Olá, amigos da Turma do Guaraná!
Hoje apresento uma HQ inédita da série Turma do Guaraná em páginas.



Esta historinha foi um  argumento de Fabiano Caldeira, há alguns anos,
e agora, finalmente adaptada para a Turma do Guaraná.
Grande abraço, Fabiano!

Amigos leitores, obrigado pela visita 
e até a próxima historinha!


O site da Turma do Guaraná já conta com mais de 250 HQs  e contos. Para ler todas, clique nas imagens ao lado ou vá ao arquivo à esquerda.

Editoras, entrem em contato pelo email:
turmadoguarana@hotmail.com


quarta-feira, 21 de junho de 2017

Turma do Guaraná em LUGAR DE CRIANÇA É NA ESCOLA...

Olá, amiguinhos!
Quem escreve é Paulo alves, o desenhista da Turma do Guaraná!
Hoje trago mais uma HQ da série Turma do Guaraná em páginas.


Até a próxima historinha
Abraços

Editoras, entrem em contato pelo email:
 turmadoguarana@hotmail.com

sábado, 27 de maio de 2017

GUARANÁ E BOLACHA em: O PEQUENO VAMPIRO

Olá, amiguinho.
Hoje trouxe para você, uma história muito legal com o Guaraná e a Bolacha, que vão até a casa do Doutor Morte, o cientista maluco, e descobrem muitos segredos.


       Bolacha, a menina cientista, precisava aprender mais sobre ciências para tirar boas notas na escola. Ela já tinha ouvido falar do Doutor Morte, um renomado cientista que entendia muito de ciências. Então, ela resolveu ir até o casarão para conversar com o doutor, e convidou o Guaraná para acompanhá-la.
       Chegando lá, o doutor levou as crianças para conhecerem o laboratório. Era um lugar assustador. Logo na entrada havia um esqueleto. Tinha também uma mesa enorme com muitos tubos de ensaio e outros equipamentos para pesquisa.
       Com muita boa vontade, o Doutor Morte foi explicando para Bolacha como preparava algumas vacinas, e respondia as perguntas que ela fazia sobre as matérias do colégio. Bolacha ia anotando tudo, para estudar mais em casa.
       Enquanto isso, o Guaraná com o olho arregalado, observava curioso tudo a sua volta e pensava: “Que lugar mais esquisito, este laboratório, este casarão.” E saiu andando, xeretando o casarão do doutor.
       Andou por um corredor largo, e no teto viu uma aranha tecendo a teia, enquanto outra enrolava uma baratinha em sua teia pra jantar mais tarde. Guaraná observou também que no final do corredor havia uma porta com um aviso que dizia assim: “Não entre”. Então Guaraná pensou: “É melhor eu voltar para o laboratório, mas se o aviso diz pra eu não entrar, é porque tem um grande segredo guardado aí dentro, e eu preciso descobrir qual é.”
       Então, Guaraná entrou na sala escura, porque havia uma cortina de tecido azul marinho cobrindo a janela, e assim a sala permanecia sombria, em meia luz.
       Muito curioso, Guaraná resolveu investigar aquela sala sinistra. Foi entrando e caminhando bem devagar, enquanto olhava tudo a sua volta.
       Foi então que viu, lá no canto algo assustador: era um caixão. Guaraná não conteve a curiosidade. Andou até o caixão, que estava coberto de teia de aranha e poeira. Aproximou-se e parou, olhando atentamente para aquele caixão, e observou que na tampa havia uma cruz roxa, com uma escrita esquisita, que não se conseguia ler. Decidiu então, abri-lo para ver o que tinha dentro. Quando levantou a tampa levou um susto muito grande, daqueles de ficar pálido e arrepiar os cabelos. Tamanho foi o susto que o menino desmaiou. Ele vira um vampiro deitado no caixão. Após um tempinho Guaraná levantou-se.
       Diante de tanto medo, ele resolveu ir embora, mas antes que conseguisse sair, a porta fechou-se. Guaraná olhou para o caixão, e viu que o vampiro levantava. Ele, então, desesperado correu para a janela, mas o vampiro saiu do caixão, correu atrás dele e o agarrou.
       Guaraná gritou pedindo socorro, mas ninguém naquela casa o ouvia. O vampiro que despertara de um sono de mil anos, cheio de fome, segurou-o firme e mordeu-lhe o pescoço para sugar o sangue. Foi então que o Guaraná se transformou no “Pequeno Vampiro”, e assustado falou:





       - E agora, como poderei sair daqui desse jeito?
       - Não sairá, garoto. Viverá nas trevas para sempre. Quer ver como ficou? Se olhe no espelho – disse o velho vampiro sorrindo.
       Então o Guaraná se olhou no espelho:
       - Mas não estou me vendo! – disse o Guaraná.
       - Claro que não garoto! Agora, você é um vampiro, e vampiros não refletem a imagem no espelho. Hua, hua, hua! – o vampiro riu do Guaraná, que estava transformado no Pequeno Vampiro.
       - Oh, não! Virei um vampiro! Virei um vampiro! – gritava o Guaraná.
       Naquele momento, o Doutor Morte e a Bolacha, que procuravam por ele, entraram na sala e o encontram caído. O doutor se aproximou dele fazendo-o acordar.
       - O que aconteceu, menino? - perguntou o doutor.
       - Não sei. Só me lembro de ter sido mordido por aquele vampiro que está dormindo dentro do caixão – respondeu o Guaraná.
       - Vampiro? – perguntou Bolacha.
       E a menina foi lá conferir e levou um baita susto.
       Foi então que o doutor explicou que o vampiro era uma obra de arte, feita em cera, pelo seu sobrinho Valter Ror, que o guardou ali naquele velho baú que parecia mais um caixão, esperando o dia da exposição no Museu de Cera de Lindópolis.
     
FIM

Doutor Morte e seu assistente Valter Ror.

       O Guaraná é muito curioso mesmo. 

Diz o ditado que a curiosidade matou o gato, 
mas ainda bem que  desta vez foi só um sonho ruim.
      
 Tenha um bom fim de semana.

     
Participe do blog, tornando-se membro e deixando seu comentário.
e-mail :  turmadoguarana@hotmail.com