TODA CRIANÇA GOSTA DE BRINCAR E DE LER.

SEJA BEM-VINDO AO SITE DE LEITURA DA TURMA DO GUARANÁ. AQUI VOCÊ ENCONTRA HISTÓRIAS EM QUADRINHOS, CONTOS, DESENHOS E MUITA DIVERSÃO!

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

TURMA DO GUARANÁ E O JARDIM DA ETERNIDADE

Olá, querido leitor!
Apresento para você o conto de Natal da Turma do Guaraná.
Uma história cheia de emoção e mistérios!


       Era uma linda manhã em Lindópolis, e faltava poucos dias para o Natal.
       Paulinha e Tampinha estavam brincando com suas bonecas, quando se aproximou correndo, uma criaturinha, mais parecida com aquelas dos contos de fadas.
       — Meninas, que bom que as encontrei! — gritou Wendy, o duende.
       As meninas olharam assustadas para aquela pequena figura que estava acompanhada de uma rena, que era falante, daquelas parecidas com as de Papai Noel.
       — Aiii! Que susto! — gritaram as meninas.
       E conversaram com Wendy para saber o porquê de tanta agitação.
       O duende contou para as meninas que Papai Noel precisava muito da ajuda delas e era pra reunir a turma toda!
       — Mas, pra quê? — Paulinha perguntou ao duende.
       — Ora! Aconteceu que nós, os duendes e as renas somos os ajudantes do Papai Noel, na fabricação e entrega dos presentes para as crianças em todo o planeta.
       — Lindo trabalho, mas, e daí? — perguntou Tampinha.
      — Daí, que falta poucos dias para o Natal e todos os duendes e renas foram seqüestrados. Como vamos ajudar o Papai Noel?
      — É, tem razão, Wendy. Vamos reunir a turma — decidiu Paulinha, balançando a cabeça.
       Então as meninas reuniram todo mundo e Wendy explicou em detalhes o que aconteceu.
       Os ajudantes do Papai Noel foram capturados e levados para viverem em um jardim. Eles tinham que regar e podar as plantas, colher flores e manter o gramado limpo, e no final do trabalho tinham que permanecer parados, feito estátuas para enfeitar o jardim.
       — E como você e a rena vieram parar aqui, na minha casa? — perguntou Paulinha.
       — Eu consegui pegar um pouco do pó-líquido, o mesmo que o cientista maluco usou para nos transportar para o imenso jardim, onde tem uma casa, que mais parece mal-assombrada – explicou Wendy.
       — Meninas, acho que sei quem é este cientista maluco... — disse o Guaraná, em um momento de extremo brilhantismo.
       — É o Doutor Morte! — gritaram as crianças, em coro.
       — Vocês o conhecem? — perguntou a rena falante.
       — Claro que sim. Ele mora no alto da colina em um imenso casarão, onde tem o Jardim da Eternidade, como o doutor mesmo chama – disse a Bolacha.
       — Pois é, pessoal, esse doutor apareceu lá na casa de Papai Noel, do nada, dizendo que estava fazendo apenas uma visita, e quando foi embora, utilizando este pó-líquido, nos carregou junto com ele — explicou Wendy, o duende.
       — Então, vamos agora mesmo para a casa do Doutor Morte! — exclamou Bolacha.
       Segurando um frasco na mão que continha o pó líquido, Wendy borrifou em todo mundo um pouco, e num passe de mágica, todos desapareceram dali.
       As crianças foram parar, em um piscar de olhos, no imenso Jardim da Eternidade. Então, puderam ver os duendes atarefados, regando as plantas, colhendo flores, enquanto as renas comiam a grama, que era pra ficar bem aparada.
       Então, Pirrixa e Guaraná tiveram que entrar na casa do doutor para pegar mais pó-líquido, o suficiente para conseguir levar todos os ajudantes do Papai Noel de volta para casa, na Lapônia, cidade da Finlândia, lá no fim do mundo.
       Andando pelos corredores do casarão, os meninos se depararam com o sobrinho do doutor, o Valter Ror.
       — Ei, o que estão fazendo aqui? — perguntou Valter.
       — Viemos levar os ajudantes do Papai Noel de volta para casa ! — gritaram os garotos.
       Correndo e dando uma rasteira no grandalhão, que caiu estatelado no chão, os meninos estavam acompanhados de Wendy, que sabia onde estavam escondidos vários frascos do pó-líquido, de onde ele mesmo conseguira pegar um pouquinho.
       Enquanto isso as meninas, estavam escondidas no jardim, reunindo todos os duendes e renas para a grande fuga.
       Guaraná, Pirrixa e Wendy entraram no laboratório, onde o doutor estava tirando uma soneca, sentado na cadeira de balanço, justamente embaixo do armário onde estavam guardados os frascos do pó-líquido. Cuidadosamente, para não acordar o doutor, as crianças chegaram até o armário. Guaraná, trepado numa escada, pegou vários frascos, tantos que não couberam nas mãos, e deixou cair um bem no “coco” do doutor, que acordou zangado.
       — Que estão fazendo aqui, crianças traquinas? — perguntou o doutor.
       Pulando feito um gato, Guaraná desceu da escada e saiu correndo com seus amigos para longe do laboratório, e o doutor furioso foi atrás, segurando e girando sua bengala no ar.

Dr. Morte e Valter Ror preparando o pó-líquido

       Valter Ror já estava no jardim procurando os duendes e as renas, porém todos ficaram escondidos, esperando a chegada dos meninos.
       Vendo que os meninos vinham pelo corredor, Valter ficou na porta, com os braços abertos, de modo a segurá-los na saída. Porém, alto como era, os meninos se abaixaram e passaram por baixo de suas pernas, dando gargalhadas e debochando dele.
       Doutor Morte, já estava chegando também, e vinha esbaforido, reclamando com Valter, culpando-o por ter deixado aqueles pestinhas entrarem no jardim e no laboratório.
       — Crianças atrevidas! Devolvam o pó-líquido e voltem para casa! — gritou o doutor.
       — Não antes de conversarmos, doutor — disse a Bolacha.
       Então, o Doutor Morte explicou às crianças que sempre quis ter um jardim com lindas plantas e decorado com aqueles coloridos anões de jardim, e também adorava os veadinhos sentados sobre a grama, cogumelos e sapos verdes... E quando visitou a casa de Papai Noel, adorou aquelas criaturinhas e resolveu roubá-las para ele, sem se importar com as consequências.
       — Ora, doutor, estes não são anões, mas duendes — disse a Bolacha.
       — E estes bichinhos não são veadinhos, mas renas. Até são parecidos... — disse a Paulinha.
       Então, ficou resolvido que Valter faria um curso de jardineiro para cuidar do jardim, enquanto o doutor cortaria a grama com um aparador. Também foi indicada uma loja onde o doutor poderia comprar todos os lindos anõezinhos, veadinhos, sapos e cogumelos coloridos para enfeitar o jardim.
      O doutor compreendeu que fizera errado, e colocou o Valter de castigo, sem direito a videogueime por uma semana, por tê-lo deixado roubar os duendes do Papai Noel.
       Logo em seguida, utilizando o pó-líquido, os duendes e as renas foram transportadas para Lapônia, mas antes, Wendy disse:

A Turma do Guaraná ajudando o Papai Noel a entregar os presentes.
        Crianças, venham conosco! Papai Noel adoraria recebê-los.
       — Não sei se podemos... Não avisamos aos nossos pais — disse Tampinha.
       — Pois é. Ainda mais que agora está na hora do lanche... — retrucou o Guaraná.
       — Mamãe Noel preparou panetones, rabanadas e deliciosos pudins de leite para vocês lancharem — disse a rena falante.
       — Bem, se é assim, não podemos fazer desfeita — disse o Guaraná, já borrifando o pó-líquido no ar.
       Num passe de mágica todos sumiram do jardim, e ficou só os dois lá com cara de bobos: Doutor Morte com um tesourão de folhas na mão e o Valter com um ancinho. Os novos jardineiros do Jardim da Eternidade.
       Assim, a Turma do Guaraná levou de volta os ajudantes do Papai Noel, que prepararam e entregaram os presentes de Natal, garantido a alegria de todas as crianças do planeta.

FIM
     
Um feliz Natal para todos, com muita paz e amor!

Abraços,

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

TURMA DO GUARANÁ E A PEDRA DO MAMUTE

       
Olá, amigos leitores!
Estou de volta com uma aventura inédita da Turma do Guaraná!
Desta vez, será revelado um grande mistério de Lindópolis...


       Mais um dia lindo amanhecia em Lindópolis, quando de repente, ecoou um estranho barulho por trás de uma montanha muito conhecida na cidade, a Pedra do Mamute. Esta Pedra tinha 300 metros de altitude, ficava perto do mar e se confundia com as outras montanhas, que se estendiam por muitos quilômetros adentro da Floresta Secreta, uma reserva biológica rica em espécies animais e vegetais.
       Não muito distante dali, Guaraná esperava pelo almoço, mas que surpresa foi quando descobriu que seria sopa de nabo. Ele detestava. Então, sem a mãe saber, ele foi até fundo do quintal e jogou fora toda a sopa.


       Enquanto isso, O barulho continuava a ecoar por toda a floresta. Os pássaros voavam assustados e os preás, pequenos roedores, corriam sem rumo pela mata. Observando de perto, grandes árvores podiam ser vistas caindo, e que estrondo faziam ao atingir o solo da floresta. Ora! Eram os irmãos Dalvo e Valdo que estavam a explorar madeira ilegalmente. Com suas potentes motosserras cortavam árvores gigantes, como jacarandás, carvalhos e ipês centenários. Que malvados! Não entendiam sobre o mal que estavam fazendo à floresta.
       Porém, um acontecimento inédito para os moradores da pacata Lindópolis estava prestes a acontecer. Com o soar ensurdecedor das motosserras, a Pedra do Mamute começou a balançar. Havia um pequeno tremor de terra nas redondezas da montanha, e esta se mexia lentamente. Um grande mistério de Lindópolis estava se revelando naquele momento. Aquela Pedra gigantesca estava tremendo e balançando como se fosse viva. Foi assim que os moradores de Lindópolis descobriram que a Pedra do Mamute não era uma pedra, mas de fato um mamute gigante que estava ali, na beira do mar, hibernando por tantos séculos. Mamutes eram como elefantes primitivos que andavam pela Terra há cerca de 10.000 anos.


       Quando Dalvo e Valdo sentiram que a “pedra” estava estremecendo, imediatamente pararam os serviços. Ficaram assustados quando viram que a montanha estava viva e saíram correndo em disparada, deixando as motosserras para trás.
       Toda a cidade pôde contemplar o mamute gigante se levantando do seu sono profundo. Ele sacudiu-se um pouco, e de longe se avistava toda a vegetação que crescera sobre o seu pelo voando pelos ares. Então, o que todos acreditavam ser uma montanha, agora andava lentamente na direção da floresta.
       Quando a noite chegou em Lindópolis, o mamute gigante estava na floresta procurando por comida. Comia o que encontrava pela frente, mas um cheiro lhe chamou a atenção. Era o cheiro dos nabos da sopa que Guaraná jogou fora.
       Ao amanhecer, a população levou um baita susto ao ver aquele bicho enorme movendo-se na direção da cidade. Foi um pânico geral. As pessoas fugiam desesperadas pelas ruas e dirigiam seus carros para longe, com medo de serem pisoteadas. Por sorte, a casa de Guaraná era perto da floresta, assim o gigante não foi para a cidade, senão a destruição seria total.
       Guaraná estava acordando, quando viu o mamute aproximando-se do fundo do quintal. Ele chegou devagarinho, fuçou com sua tromba, pegou os nabos e jogou na boca. Procurou por mais, até que encontrou uma horta repleta deles. Guaraná adorou esta parte, pois nunca mais sua mãe iria lhe servir sopa de nabo, porque, simplesmente, o mamute comera todos.
       O prefeito de Lindópolis, o Senhor Patonildo, muito preocupado com todo o acontecimento, pediu ajuda aos seus melhores cientistas e conselheiros, mas nenhum teve a resposta de como impedir que o mamute viesse até a cidade e destruísse tudo com suas passadas gigantescas.
       Então, após haver descoberto que o mamute adorava nabos, Guaraná se reuniu com a sua turma e discutiram uma solução para afastá-lo da cidade. Depois, a turma foi ter uma conversa com o prefeito, que lhes perguntou:
       – Crianças, como podemos afastar esse mamute gigante da nossa cidade e impedir que ele destrua tudo?
       – Lhe daremos nabos – respondeu Guaraná.
       – Mas, como nabos? – perguntou, confuso, o prefeito.
       – Este mamute adora nabo. Lhes daremos todos os nabos de que precisa para se alimentar e ele não virá mais à cidade – respondeu a Bolacha, que dentre as cientistas é a menina mais cientista e inteligente de todas.
       O senhor Patonildo coçou a careca, ficou meio desconfiado das crianças, mas aceitou o desafio.
       – Então tá, meninos! Vamos levar todos os nabos da cidade para o mamute, lá depois da floresta, no Vale Tenebroso, que é para ele não vir mais pra cá.


       E assim foi feito. O mamute fora atraído com uma isca de nabo e levado para o Vale Tenebroso, uma imensa região, além da Floresta Secreta, onde habitam criaturas estranhas e gigantescas.
        Enquanto isso, Dalvo e Valdo, voltaram às suas atividades ilegais de extração de madeira. Curiosos, Guaraná e Pirrixa entraram na mata em busca da origem do barulho ensurdecedor, e qual não foi a surpresa quando viram os dois lenhadores cortando as árvores. Então, os meninos foram até a cidade e avisaram ao Senhor Patonildo. Ele imediatamente mandou a polícia prender os dois por desmatamento e por terem acordado o velho mamute.
        Acomodado no Vale Tenebroso, o mamute gigante ficou tranquilo, mas era grande a preocupação dele voltar à cidade atrás de comida novamente. Então, Dalvo e Valdo, os culpados por terem acordado o mamute, foram condenados a cultivar uma plantação de nabos no Vale Tenebroso para alimentar o mamute, até ele voltar para hibernar.
        A partir deste acontecimento, nunca mais a mãe de Guaraná preparou sopa de nabo.
         Para comemorar a tranquilidade que estava de volta à Lindópolis, ela convidou o Senhor Prefeito Patonildo e a turma do Guaraná para um jantar, onde preparou uma deliciosa sopa de frango com jiló. Então, Guaraná perguntou com carinha de quem não gostou:
       – Oh, não! Mãe, posso levar esta panela de sopa de jiló para o mamute? Quem sabe ele não gosta!
        E todos riram do Guaraná.

FIM

Esta história foi uma grande lição para Dalvo e Valdo, 
que estavam destruindo a floresta.
 Agora, ficarão presos por um bom tempo
no Vale Tenebroso cuidando do mamute gigante.

Até a próxima história, amigos!
Se o Mamute não fosse tão grande assim, bem que as crianças
poderiam dar uma voltinha montada neles.
Já imaginaram?!


quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

A TURMA DO GUARANÁ E A BIBLIOTECA MUNICIPAL JOAQUIM MANUEL DE MACEDO

Olá, pessoal!
Estou tendo a honra de participar do 144º aniversário da Biblioteca Joaquim Manuel de Macedo em Itaboraí, que ainda está acontecendo até o dia 08 de dezembro, quando haverá o encerramento as 16:30. 
Ontem, dia 06 de dezembro, foi a minha apresentação, quando tive a oportunidade de me apresentar à comunidade, de mostrar a Turma do Guaraná e lançar a  sua primeira revista.

Paulo Alves ao lado do coordenador da biblioteca Wanderson Silvas e da secretária Lorena.


As contadoras de histórias divertindo as crianças

Paulo Alves falando sobre os personagens. "Foi a primeira vez que falei em público. 
De fato, como diz Silvio Santos, me virei nos 30."

A pedagoga Ellen Barreto em self com Paulo Alves. Ela é grande fã da Turma do Guaraná.


Sou muito grato ao coordenador da biblioteca Wanderson Silvas, a sua secretária Lorena e a toda a equipe que lá trabalha, pela oportunidade de apresentar o site de leitura da Turma do Guaraná e contribuir, desta forma, para o enriquecimento cultural da nossa população.

A Biblioteca Municipal Joaquim Manuel de Macedo fica na Praça Marechal Floriano Peixoto, nº 39, no Centro de Itaboraí. É muito fácil chegar. Todos conhecem. 
Não deixem de comparecer e prestigiar os artistas e mestres que lá estão se apresentando hoje e amanhã. 

Eu estarei presente no encerramento, 
sexta-feira, dia 08 de dezembro, as 16:30, e levarei o meu material para venda: 
camisas e revistas da Turma do Guaraná. 
Quem compra a camisa, ganha a revista.



O indiozinho Guaraná, a Paulinha, o Pirrixa, a Bolacha e a Tampinha estão muito felizes com a presença de todas as pessoas durante a apresentação da Turma do Guaraná, e esperam novas oportunidades para contarem suas peripécias e aventuras em Lindópolis, a cidade incrível.

Abraços!


Para contactar o autor, mande email para turmadoguarana@hotmail.com


segunda-feira, 27 de novembro de 2017

ANIVERSÁRIO DA BIBLIOTECA JOAQUIM MANUEL DE MACEDO EM ITABORAÍ - RJ

Olá, amigos da Turma do Guaraná!
Sejam bem-vindos!
É com grande orgulho que convido todos para o 144º ANIVERSÁRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL JOAQUIM MANUEL DE MACEDO em Itaboraí.
ENDEREÇO: Praça Mal. Floriano Peixoto, nº 39, Centro - Itaboraí - RJ

Serão cinco dias de uma grande festa literária, com vários artistas mostrando suas obras.

Eu estarei apresentando à comunidade o Projeto de Leitura da Turma do Guaraná no dia 06 de dezembro, quando falarei sobre literatura, artes e lançarei a primeira revista da Turma do Guaraná. 


Conto com a presença das crianças, dos jovens e de todos os amantes dos quadrinhos.
Abraços!

Para contactar o autor, envie email para 
turmadoguarana@hotmail.com


segunda-feira, 13 de novembro de 2017

O LUAL DA TURMA DO GUARANÁ

Olá, crianças e jovens do Brasil e do mundo!
Sejam bem-vindos ao site da Turma do Guaraná.
Hoje, apresento mais uma história em quadrinhos da série Turma do Guaraná em páginas.




Por todo o canto desta tela você pode clicar nas imagens 
e ler outras histórias ou, se preferir, lá embaixo, no canto esquerdo,
 está escrito "mais histórias". 
Clicando, você poderá ler e se divertir muito mais.
Abraços!

CRIANÇAS E PROFESSORES, FIQUEM ATENTOS! 
A TURMA DO GUARANÁ É UM SITE DE LEITURA LIVRE E GRÁTIS, 
NÃO PRECISA SE CADASTRAR PARA ACESSAR O SITE
NEM DE PAGAR PARA LER AS HISTÓRIAS. 

AMIGOS PARA SEMPRE!

Editoras, entrem em contato pelo email turmadoguarana@hotmail.com

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

HQ com Guaraná e Pirrixa

Olá, querido leitor!
Seja bem-vindo ao site da Turma do Guaraná, um espaço de leitura e diversão.
Hoje apresento a nova História em Quadrinho que acabei de desenhar.


Quer ler mais histórias divertidas? 
Clique nas imagens ao lado ou vá lá embaixo, à esquerda, em "Mais Histórias". 
Lá está recheado de HQs e contos ilustrados.
Um abraço!

As editoras interessadas em licenciamentos, podem enviar email para 
turmadoguarana@hotmail.com e solicitar.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Sejam bem-vindos ao blog!

Parabéns, crianças, pelo seu dia oficial!

Hoje trouxe um presente para você.
Uma bela história com a Turma do Guaraná.

A Festa das Crianças

       Era o dia das crianças, e logo pela manhã, elas foram procurar seus brinquedos novos, que certamente seus pais lhes deram de presente naquele dia tão especial.
       Então, cada um recebeu seu presente, e para a surpresa, após abrirem os embrulhos, o que havia dentro?... Nada.
      - Pai, cadê meu presente? – perguntou a Tampinha.
       Então, seu pai respondeu que estava dentro do embrulho. Olhou dentro para ver, mas não soube explicar como ele sumira dali.
       E assim aconteceu com todas as crianças da vila.
       Decididos a encontrar os seus presentes, a Turma do Guaraná, resolveu solucionar o mistério do desaparecimento dos brinquedos, e se reuniram na praça.
       Foi então que Paulinha, atenta como só, viu algo.
       - Vejam! Achei um brinquedo! – gritou, e todos olharam curiosos.
       Era uma peteca com penas coloridas.
       - Estou vendo outra coisa lá embaixo! – gritou o Guaraná apontando para um carrinho.
       Indo mais adiante, encontraram uma bola de gude, e depois uma boneca, e assim por diante, até encontraram um buraco no chão do jardim. O que poderia ser?
       - Deve ser uma toca – disse a Bolacha.
       - É um esconderijo. Aposto que todos os brinquedos estão aí dentro. Vamos entrar – disse o Pirrixa já entrando.
       Passando pelo buraco no canto do jardim, as crianças entraram num imenso salão subterrâneo, e se admiraram pela quantidade de brinquedos que viram. Então, Decidiram pegar todos os brinquedos que pudessem e levariam embora. Porém, quando começaram a catar, apareceu diante deles um ratinho, depois mais um, e num instante se viram cercados de ratos crianças. Então um deles disse:


       - Por favor, meninos, não levem nossos brinquedos.
       - Ora, mas vocês pegaram todos os brinquedos das crianças da vila! – respondeu a Bolacha.
       - Então, vamos dividir. Eu não posso ficar sem minhas bolas de gude! – disse o Guaraná.
       - Pode ficar com o meu presente que sumiu do embrulho – disse a Tampinha, que ficou com dó dos ratinhos, e logo fez beicinho...
       E assim as crianças gente e as crianças ratos dividiram os brinquedos, e acabou a confusão.
       Depois de tudo acertado, a delicada Paulinha conversou com os ratinhos dizendo:
       - Hoje, tem uma festa para todas as crianças da vila, e como vocês também são, estão convidados!
       - Eeeh! Viva! – gritaram os ratinhos de tanta alegria.
       De tarde aconteceu a Festa das Crianças na Praça de Lindópolis. Houve distribuição de brinquedos, bolo, refrigerante, pirulito e algodão-doce. Também montaram um pula-pula e um tobogã, que era para a criançada não parar de brincar.
       Na praça, as crianças brincavam muito, e no jardim, escondidinhos, os ratinhos se divertiam também, com os brinquedos e com as guloseimas que ganharam.
       Depois que se conheceram, os ratinhos viraram grandes amigos das crianças, mas não poderiam brincar juntos na praça, porque as crianças estavam acompanhadas dos adultos, e eles morrem de medo de ratos!

      fim

Crianças, desejo felicidades e muita paz!!




Editoras, para publicar as histórias, entrem em contato pelo email: 
turmadoguarana@hotmail.com


quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Chegou a Primavera com a Turma do Guaraná

CHEGOU A PRIMAVERA COM A TURMA DO GUARANÁ

Olá, querido leitor!
Para celebrar a chegada da Primavera, trago mais uma HQ pra vocês.

página 1

página 2

Até a próxima história.
Abraço!


TURMA DO GUARANÁ É UM SITE DE LEITURA LIVRE PARA TODA A FAMÍLIA.
LEIA, PARTICIPE E COMPARTILHE.

AMIGOS PARA SEMPRE!

Editoras, mandem email para turmadoguarana@hotmail.com

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

A primavera da Turma do Guaraná

Chegou a Primavera!
No hemisfério Sul, a primavera tem início em 22 de setembro e termina no dia 21 de dezembro.
É a estação das flores, porque é a época do ano que mais floresce, deixando no ar perfume  e nos jardins lindas flores.



A primavera ocorre no equinócio de setembro, momento do ano em que o dia tem a mesma duração da noite, ou seja, 12 horas cada.
A primavera traz um aumento na temperatura, deixando os dias mais quentinhos, preparando o clima para o verão.

Agora que já aprendeu um pouco sobre a primavera, corra até o jardim, regue bem as plantas e perceba como já existem muitos botões de rosa prontos para abrir, observe as dálias vermelhas, veja as margaridas e as lindas flores das orquídeas.
Aproveite e colha algumas flores perfumadas de jasmim e ofereça a pessoa que você ama.




sábado, 16 de setembro de 2017

PARABÉNS PELOS 6 ANOS DO BLOG DA TURMA DO GUARANÁ

Olá, queridos leitores!
Hoje é um dia muito especial, pois o Blog da Turma do Guaraná completa 6 anos de existência. Durante este tempo, eu escrevi muitas histórias, desenhei muitos quadrinhos só para manter vivos estes personagens tão queridos. 
Muitas crianças e jovens já leram as histórias da Turma do Guaraná, aprenderam e se divertiram com elas. Foi muito bom chegar até aqui. 
Continuarei escrevendo e desenhando ainda por muito tempo, trazendo novas aventuras, quadrinhos e ilustrações com a Turma do Guaraná, para a alegria de todos.

Quero que conheçam a primeira postagem que fiz no blog, em 16 de setembro de 2011.
Na época, queria divulgar os personagens, mas não sabia como, então, um amigo do trabalho sugeriu que eu fizesse um blog. Foi ideia de Rogério, meu amigo desenhista. 
Então, sem saber muito de como fazer, entrei no blogger do google, escrevi algumas frases, catei um dos meus antigos desenhos, e postei. Depois deste dia, não parei mais...


A PRIMEIRA POSTAGEM DA TURMA DO GUARANÁ

"Em breve todos conhecerão a turma do Guaraná.
São crianças líndricas (mais do que lindas) que vivem aventuras incríveis em Lindópolis. O Guaraná é um garoto de oito anos que leva uma vida como qualquer outra criança da cidade. Tem amigos divertidos como o Pirrixa e sua irmã Paulinha. 
Às vezes se metem em cada enrascada quando se deparam com as invenções da cientista da turma, que se chama Bolacha.  Mas a situação fica ruim mesmo é quando a turminha toda, sem querer esbarra com dois ladrões: Os irmãos Sem-vergonhas.
Seus nomes são Dalvo e Valdo que usam duas perucas loiras engraçadas, que vire-e-mexe caem de suas cabeças. Na verdade estes ladrões são tão atrapalhados. Tentam de tudo pra realizar seus planos sinistros, mas dão o maior azar quando a turma do Guaraná aparece, pois
 a turminha detona os dois, e seus planos maus vão por água abaixo.


  

GUARANÁ e PAULINHA  

Vou deixar aqui hoje somente uma ilustração pra vocês, como uma pequena amostra da turminha."

Viram, que legal!
Daqui pra frente é continuar escrevendo e desenhando porque a Turma do Guaraná é para sempre!




AMIGOS PARA SEMPRE!

Abraços do amigo


Editoras, mandem email para turmadoguarana@hotmail.com

domingo, 10 de setembro de 2017

As meninas e o perfume

Olá, amiguinhos!
É com muito orgulho que reapresento esta HQ com a Turma do Guaraná. Desta vez,
uma brincadeira de criança, daquelas que se aprende no colégio.



Bem engraçada...
Uma vez, um menino de seis anos me pegou com esta brincadeira.
Porém, crianças, não podem exagerar, senão machuca o coleguinha.

Tenham todos uma ótima semana.
Até a próxima historinha com a Turma do Guaraná.
Abraços!


sábado, 26 de agosto de 2017

TURMA DO GUARANÁ em CHEGOU O INVERNO

Olá!
Estou de volta com mais uma HQ divertida para vocês.
Confesso que esta história está um pouco atrasada, mas ainda estamos na estação.


 página 1

página 2


Abraço do amigo

Editoras, para cessão de imagens e histórias, envie email para
turmadoguarana@hotmail.com